Cabanagem – A formação militar na Tomada de Caiena


Invasão da Guiana Francesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Invasão da Guiana Francesa foi um episódio da história do Brasil Colonial ocorrido em 1809, quando o Principe-Regente Dom João, futuro Dom João VI, em represália pela invasão de Portugal por tropas de Napoleão, ordena a invasão da Guiana Francesa.

Um dos objetivos era redefinir as fronteiras do Brasil com a Guiana Francesa de acordo com o Tratado de Utrecht[1]. Ou seja, a fronteira voltariam ao rio Oiapoque, combinados no Congresso de Utrecht em 1713, anulando o estabelecido em Paris (1797), em Badajoz e em Madrid (1801) e mesmo em Amiens (1802)[2]

Por terra foram enviados 700 homens vindos do Pará comandados pelo tenente-general Manuel Marques, enquanto que pelo mar eram apoiados pela esquadra da Marinha Real Britânica, comandada por James Lucas Yeo, chefe das forças navais, a bordo da fragata Confiance[3] com 26 peças de artilharia, enviada do Rio de Janeiro, junto com os brigues Voador (com 18 peças, comandado por José Antônio Salgado) e Infante D. Pedro (com 18 peças comandada por Luís da Cunha Moreira), a escuna General Magalhães com 12 peças e os cúteres Vingança e Leão, comandados pelo tenente Manuel Luís de Melo. Os fuzileiros-marinheiros estavam sob o comando de Luís da Cunha Moreira, mais tarde visconde de Cabo Frio e primeiro ministro da Marinha do Brasil independente [4].

O primeiro combate foi travado em 15 de dezembro, às margens do rio Aproak, duas embarcações francesas são apreendidas. Algumas semanas depois as tropas inglesas e portuguesas partem para conquistar as principais fortificações francesas no rio Maroni.

Em 6 de janeiro de 1809 o forte Diamante é conquistado, no dia seguinte o forte Dégrad des Cannes e no outro o forte Trió[5], ambos na ilha de Caiena.

A tropa sitiou a capital, Caiena, cujo governador Victor Hughes se rendeu sem resistência, em 12 de janeiro de 1809[6], assinando em Bourda a rendição. A Guiana passou a ser administrada por João Severiano Maciel da Costa, depois marquês de Queluz[5], com a designação de Colônia de Caiena e Guiana[7].

Fonte: Wikipédia

Deixe seu comentário, obrigado!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s