Ilustrações & Ilustradores


Ilustração egípcia – O livro dos mortos – 1307 / 1196 a.C

Originariamente, ilustração e escrita eram uma só coisa, já que ambas nasceram dos caracteres pictográficos, imagens sintetizadas num signo linear e ordenadas de modo a transmitir idéias. A ilustração propriamente O livro de Kells - ano 800 d.C.dita existe quando uma mesma mensagem pode ser interpretada por duas vias: a primeira, mediante a leitura de sinais abstratos e a segunda, por imagens pictóricas.

Ilustração é qualquer representação gráfica que venha a explicar, esclarecer ou embelezar um texto. A ilustração pode ter, portanto, finalidade informativa ou ornamental.

Na antiguidade, era frequente se juntarem figuras às inscrições monumentais, como na estela de Israel e no Código de Hamurabi. Também era comum a ilustração de textos científicos, sobretudo médicos e botânicos, mas os documentos dessa época são escassos. A rigor, a arte da ilustração surgiu com o papiro egípcio e daí passou ao códice de pergaminho, na forma de miniaturas conhecidas como iluminuras. Um dos mais antigos manuscritos desse tipo que sobrevivem é a Ilíada, do século IV, da Biblioteca Ambrosiana de Milão. No cristianismo primitivo, a ilustração foi muito usada para evangelizar uma população que, em sua maior parte, não sabia ler.

Xilogravura – Albrecht Durer – Os Quatro cavaleiros do Apocalipse – 1493

Litografia – Krebs Lithografing Company – 1883

Os séculos XVII e XVIII foram a época de esplendor da ilustração gravada em metal. Presente nas folhas de rosto alegóricas características do estilo barroco, o talho-doce apresenta, porém, a desvantagem de exigir a estampagem num tipo de prensa diferente daquela em que se imprime o texto. A litografia, inventada no fim do século XVIII mas utilizada na ilustração do livro apenas a partir do século XIX, é um dos processos de execução mais fácil.

Ilustração: Renato Alarcão

Consagrada pelo romantismo, teve seu primeiro grande sucesso na arte do livro com a edição do Fausto de Goethe, ilustrada por Delacroix, em 1828. O processo deu grande impulso à ilustração tipográfica, de que são o melhor exemplo as Voyages pittoresques et romantiques dans l’ancienne France (1820-1878; Viagens pitorescas e românticas à antiga França), publicadas em vinte volumes. Mais tarde, tornou-se o instrumento por excelência da crítica social, na ilustração caricata de publicações periódicas.

 

Litografia – L. Prang Company – Miscelânea – 1880-1890

No início do século XIX popularizou-se também a zincografia. Seguiram-se os processos fotomecânicos, que permitiram a produção em larga escala de livros didáticos e técnicos ilustrados com a necessária precisão documental e a favoreceram a multiplicação das revistas de atualidades. Grande número de artistas modernos, como Toulouse-Lautrec, Matisse, Picasso, Kandinski, Paul Klee e Salvador Dalí, dedicaram-se à ilustração. As novas técnicas de reprodução incluem o linóleo e a serigrafia, entre outras.

 

Obra da exposição Onde a água encontra a terra – Museu de Arte Moderna e Contemporânea CASA DAS ONZE JANELAS – Belém/Pa.
Fotografia: Fernando Azevedo

A ilustração de livros se divide habitualmente em dois tipos: intratextual (figura) e extratextual (estampa, prancha ou lâmina). Os processos mais antigos de ilustração, ainda empregados em edições de luxo, se faziam por gravura: em relevo (xilogravura), a entalhe (talho-doce) e em plano (litografia). Modernamente, emprega-se a fotogravura (processos fotomecânicos), também nos seus três sistemas: em relevo (clichês a traço e autotipias), a entalhe (rotogravura) e em plano (offset). Os jornais, que eram ilustrados pelos três processos de gravura, hoje são exclusivamente realizados por meios fotomecânicos, especialmente pela rotogravura e offset, que permitem imprimir, ao mesmo tempo, o texto e as ilustrações.

Matéria publicada na EmDiv Magazine Kindle Edition – Maio 2011

.

Anúncios

Um comentário em “Ilustrações & Ilustradores

  1. Parabéns pela excelente pesquisa Eudyr. Muito bom mesmo!
    Muito bom saber detalhes sobre à escrita, dentro de toda sua evolução. Sempre unida á nossa própria evolução.
    Escrever para mim, sempre foi e ainda é muito prazeroso..
    Interessante notar como, as razões que nos levam à escrever ainda são as mesmas do início da sua história.
    As pessoas mudam, as histórias também, a forma como se escreve…
    Mas, a escrita segue poderosa como sempre.
    Amei!
    Beijos!

Deixe seu comentário, obrigado!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s