Bancários: Greve Nacional inicia mais forte que a de 2011


18/09/2012

Bancários fecham 5.132 agências em todo o país no primeiro dia da greve

Crédito: Thales Stadler – Seeb São Paulo
Thales Stadler - Seeb São Paulo Agência paralisada na Avenida Paulista, no coração financeiro de São Paulo

Os bancários fecharam pelo menos 5.132 agências e centros administrativos de bancos públicos e privados em 26 estados e no Distrito Federal nesta terça-feira 18, primeiro dia da greve nacional da categoria por tempo indeterminado por 5% de aumento real, valorização do piso salarial, PLR maior, mais empregos e fim da rotatividade, melhores condições de saúde e trabalho, mais segurança nas agências e igualdade de oportunidades.

O balanço, feito pela Contraf-CUT com base nos dados enviados até as 17h30 pelos 137 sindicatos que integram o Comando Nacional dos Bancários, mostra que a paralisação começou mais forte que a do ano passado, quando 4.191 agências foram paralisadas no primeiro dia.

PARÁ/AMAPÁ

Primeiro dia de greve geral paralisa agências em todo o Pará

Ter, 18 de Setembro de 2012 17:33 Geral

 

Greve começou forte no ParáNo Pará, a greve nacional dos bancários e bancárias começou com força total. Mais de 50% da categoria resolveu cruzar os braços por tempo indeterminado contra a intransigência dos banqueiros que apresentaram uma proposta rebaixada aos trabalhadores.

Rosalina Amorim - Nossa greve começou forte porque a categoria não aceita as migalhas que a Fenaban quer nos dar“Estamos pedindo 10,25% de reajuste e a Fenaban vem com apenas 6%, sendo que os bancos têm condições de atender a reivindicação da categoria. Se hoje começamos uma greve por tempo indeterminado a culpa é dos banqueiros, sempre estivemos dispostos a negociar de verdade, porém aceitar migalhas, enquanto os executivos ganham milhões, isso não vamos admitir”, destaca a presidenta do Sindicato dos Bancários, Rosalina Amorim.

Banpará matriz 15º dia de greveNo principal corredor financeiro de Belém, a Av. Presidente Vargas, apenas uma agência abriu de forma precária. “O Banco da Amazônia Reduto na grevepresidente do Banpará trouxe um bancário que trabalha no interior do Pará para trabalhar na capital com pagamentos de diárias. Isso é um absurdo, é querer furar a greve na marra, enquanto que a medida mais sensata e prudente da direção deste banco seria a de apresentar uma proposta decente para o seu funcionalismo”, denuncia a diretora de saúde do Sindicato e funcionária do Banpará, Érica Fabíola.

Segundo a Lei de Greve 7.783/89: “É vedado às empresas adotar meios para constranger o empregado ao comparecimento ao trabalho”. Uma das estratégias usada pelos banqueiros para enfraquecer o movimento é o contingenciamento, por meio do qual obrigam os trabalhadores a furar a greve.

Caixa São Braz na greveA greve é um direito do trabalhador, garantida pelo Estado, porque é a única forma de o trabalhador exercer pressãFuncionários do Banco do Brasil em Belém na greveo por seus direitos diante de uma negociação fracassada com o empregador. “Por isso é importante que o bancário ou bancária que sofrer qualquer tipo de retaliação durante ou após a greve, comunique imediatamente a nossa assessoria jurídica para que possamos tomar as medidas cabíveis. Greve é direito garantido na Constituição, e durante esse período o contrato de trabalho fica suspenso, ou seja, ninguém é obrigado a trabalhar”, explica o diretor jurídico do Sindicato e funcionário do Itaú, Sandro Mattos.

Bradesco Doca na greveUm giro pelas principais agências de Belém confirmou a disposição dos trabalhadores de bancos públicos e privados em lutar por melhores salários e condições de trabalho. Itaú, Caixa, Banco do Brasil, Santander, Banco da Amazônia e Banpará foram alguns dos bancos percorridos durante a manhã desta terça-feira (18).

Greve forte também no interior Sindicato garantindo a greve no Itaú

Nas regiões Sul, Sudeste e Oeste, a categoria também dá exemplo de luta e mobilização. Cerca de 90% das agências bancárias amanheceram de portas fechadas. Flagrantes feitos pelos próprios bancários comprovam o descaso dos bancos com a segurança de funcionários, clientes e usuários.

Caixa Marabá na greve“Aqui em nosso Estado a insegurança bancária é gritante, prova de que os bancos, sejam públicos ou privados, não priorizam investimentos nessa área, nem mesmo em regiões onde é registrada a maioria de assaltos a bancos como é o caso do Sul e Sudeste paraense. Na semana passada, o Banco do Brasil em Santana do Araguaia foi assaltado. Exigimos mais segurança dentro das agências bancárias, não queremos que nós e nenhum outro bancário sejamos os próximos alvos dos criminosos”, afirma a diretora do Sindicato, Heidiany Moreno.

Repercussão na imprensa Início da greve da categoria repercutiu na imprensa

A greve da categoria também ganhou destaque nos veículos de comunicação da capital paraense. Nas primeiras horas do dia, a presidenta do Sindicato, Rosalina Amorim concedeu entrevista ao vivo para dois jornais televisivos de grande audiência em Belém, onde explicou para a população os principais motivos da greve e como o cliente e usuário podem utilizar os serviços bancários através da internet, caixas eletrônicos e outros canais alternativos.

Fontes:

Contraf – CUT

Sindicato dos Bancários do Pará e Amapá

.

Anúncios

Deixe seu comentário, obrigado!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s